Share

Migração climática: 5 coisas que precisamos de saber

Milhões de pessoas em todo o mundo foram forçadas a abandonar as suas casas devido a condições climáticas extremas e estão expostas e presas na incerteza e agonia da sobrevivência diária.

As provas da investigação sobre esta questão não são de todo favoráveis. O Global Internal Transport Report mostra que os números de viagens forçadas devido à crise climática estão a aumentar de forma alarmante. Em 2019, 24 milhões de pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas devido a condições meteorológicas extremas, um aumento de 48% em relação aos 16,1 milhões em 2018.

É verdade que as provas sobre a migração climática ainda são limitadas, uma vez que as causas dos movimentos populacionais nem sempre são claras. É, no entanto, imperativo que ela ocupe seriamente a agenda dos decisores políticos em todo o mundo. Se tivéssemos de resumir 5 pontos-chave sobre migração climática que todos deveríamos ter em mente, seriam os seguintes:

 

  1. As alterações climáticas podem ser a principal razão pela qual muitas pessoas migram.

A intensificação de acontecimentos climáticos como chuvas, inundações, secas e os efeitos das alterações climáticas, como a desertificação e a subida do nível do mar, podem forçar as pessoas que vivem em zonas vulneráveis a abandonar as suas casas. Significativamente, a migração induzida pelo clima em 2019 foi três vezes superior à migração devido a conflitos e violência.

 

  1. Os mais vulneráveis são também os mais suscetíveis de serem forçados a migrar.

São os habitantes dos países geograficamente mais vulneráveis, com ecossistemas frágeis e baixa adaptação a emergências, que terão de decidir se abandonam o seu lugar, muitas vezes sem recursos para o fazer. Rajo do Paquistão foi obrigada a emigrar três vezes em poucos anos: “Cada mudança teve um enorme impacto na família. Eu estava grávida de sete meses num deles e tive de trabalhar como operária no novo local para conseguir pagar as contas. Devido ao transporte, tive um aborto espontâneo. As crianças adoecem sempre que nos mudamos, e nós pedimos dinheiro emprestado para cuidar delas”.

 

  1. Ninguém sabe quantas pessoas irão migrar por causa do clima.

O número de pessoas que atualmente se deslocam ou irão deslocar-se no futuro devido a fatores ambientais são apenas estimativas. Isto porque outros fatores, tais como conflitos e instabilidade política, entram frequentemente em jogo, e não existem números oficiais sobre pessoas que se deslocam internamente, o que é o fenómeno mais comum.

 

  1. A migração climática é uma realidade enfrentada por pessoas de todo o mundo.

Os fatores climáticos representam uma ameaça à vida das pessoas e muitas vezes a única forma de se adaptar às novas condições é migrar. A maioria das pessoas forçadas a migrar vive em zonas vulneráveis e está envolvida na pesca e na agricultura. “Todos trepavam às árvores. As casas estavam a ser submersas pela água. De repente, o ramo onde eu e o meu marido tínhamos escalado partiu-se, e eles caíram à água com o nosso filho de 8 anos. Nunca mais os vi…”, Marta, Moçambique.

 

  1. Não existe um quadro de proteção para as pessoas que se deslocam devido às alterações climáticas.

As pessoas deslocadas pelas alterações climáticas não são consideradas refugiados ao abrigo do direito internacional dos refugiados, em particular da Convenção de Genebra relativa ao Estatuto dos Refugiados, que prevê o reconhecimento do estatuto de refugiado a qualquer pessoa que se encontre fora do seu país por receio de perseguição. Isto significa que não existe um quadro de proteção para estas pessoas.

Maleka tem 16 anos e já trabalha há 4 anos como empregada doméstica em Dhaka. A sua casa familiar no Bangladesh rural foi destruída por inundações quatro vezes em oito anos e ela teve de migrar para a cidade para ajudar com os custos: “Sempre sonhei em tornar-me professora. O meu sonho já não tem qualquer significado”.

Sonhos, vidas e lugares que parecem estar à mercê da natureza tornam imperativa a mobilização de todos diretamente contra a crise climática, que é, em última análise, uma crise humanitária.

 

Créditos fotográficos: Guajardo-ActionAid

Fonte: https://ehs.unu.edu/

Mais notícias