Share

Embora a imagem popular dos migrantes climáticos envolva pessoas pobres em países pobres, os europeus estão cada vez mais a ser empurrados para fora das suas casas e forçados a deslocar-se devido às consequências do aquecimento global.

Esta foi uma das mensagens de um webinar recente sobre a emergência climática e a migração.

O EEB, em colaboração com a Youth and Environment Europe (YEE), realizou recentemente, no contexto do projeto #ClimateOfChange apoiado pela UE, um webinar sobre alterações climáticas e migração.

O debate em linha do painel, que foi moderado por Elisha Winckel, do YEE, reuniu especialistas na matéria para pintar uma imagem clara da realidade desta questão complexa e multifacetada, bem como para dissipar algumas falácias comuns e prejudiciais.

Caroline Zickgraf, cofundadora do Observatório Hugo na Universidade de Liège, falou sobre a política de terminologia relacionada com a migração e o alarmismo e a elaboração de mitos que levou a políticas de imigração restritivas que estão a prejudicar as pessoas afetadas pelo aquecimento global.

Mariam Traore Chazalnoel, uma especialista sénior da Organização Internacional para as Migrações (OIM), considerou encorajador que a migração climática estivesse a receber mais atenção da comunidade internacional, mas isto ainda não se traduziu em ação. Ela acredita, contudo, que o envolvimento dos jovens poderia “transformar a narrativa numa narrativa mais esperançosa e aspiracional”.

Mariam Traore Chazalnoel, a senior expert at the International Organisation for Migration (IOM), found it encouraging that climate migration was receiving more attention from the international community but this has not yet translated into action. She believes, however, that young people’s involvement could “transform the narrative into one that is more hopeful and aspirational”.

Mundos em fuga

Uma área de confusão relaciona-se com o local onde ocorre a migração climática. É verdade que as sociedades que menos fizeram para criar a emergência climática estão frequentemente na linha da frente do aquecimento global e são mais vulneráveis às consequências das alterações climáticas.

Isto foi salientado por Lucie Pélissier, copresidente da CliMates International, uma organização que se esforça por aumentar a consciência sobre a migração induzida pelo clima. Ela desenvolveu um documentário sobre migração induzida pelo clima que se centrou nos fatores por detrás deste fenómeno e na forma como este afeta a juventude.

“Quando demos início a este projeto, apercebemo-nos de que não havia muitas histórias sobre migração ambiental”, afirmou Pélissier. “Na maioria das vezes, quando falávamos do fenómeno, este permanecia um pouco abstrato”. Ela e os seus colegas decidiram que precisavam de mostrar e compreender a história humana, deixando os migrantes na linha da frente das alterações climáticas no Bangladesh e no Senegal falarem por si próprios.

No Bangladesh, um país de baixa altitude e populoso ameaçado pela subida do nível do mar, a ilha de Kutubdia, que tem uma das mais rápidas subidas do nível do mar registadas, perdeu metade do seu território para o oceano durante o último meio século, é um prenúncio do que está para vir. Embora os aldeões, orgulhosos pescadores, tenham uma pegada de carbono insignificante, foram forçados a abandonar o seu modo de vida e a migrar para o interior.

A espalhar-se como fogo selvagem

No entanto, isso não significa que as sociedades ricas sejam de alguma forma imunes. Embora tenham mais recursos para lidar com as consequências, muitas nações ricas e industrializadas estão também a ser devastadas pelo aquecimento global.

Isto pode ser visto na devastação que foi provocada pelos incêndios florestais na América este ano, incluindo a rara visão de incêndios de Outono tão intensos que bloquearam a visibilidade.

Isto para não mencionar o “Verão Negro” de 2019/20 na Austrália. Só os incêndios florestais australianos não só causaram a morte de centenas de milhões de criaturas, incluindo a (quase) extinção de muitas espécies, como também destruíram milhares de lares e deslocaram muitas pessoas.

A Europa, também, está a crescer cada vez mais propensa às alterações climáticas. Isto foi salientado por Marta Rodríguez e Lillo Montalto, dois jornalistas que produziram uma série de reportagens para a Euronews sobre o impacto da crise climática na vida das pessoas na Europa.

“Fala-se muito de migrantes climáticos, ou refugiados climáticos, que vêm para a Europa, digamos, de África ou da Ásia”, explicou Rodríguez. “Queríamos saber se já existiam migrantes climáticos europeus e, se fosse esse o caso, onde os poderíamos encontrar”.

E a equipa da Euronews encontrou-os. “Cerca de 700.000 [europeus] foram deslocados nos últimos 10 anos. Isso significa 700.000 histórias de perdas no nosso continente”, descreveu Lillo Montalto. “Não queríamos fazer do clima uma história longínqua e da Europa apenas o recetor dos migrantes. Queríamos mudar a perspetiva sobre essa história”.

Este número é uma subestimação significativa. Conta apenas as pessoas deslocadas por incêndios, tempestades e inundações. Além disso, não só as estatísticas são escassas sobre migração climática direta dentro da Europa, como quase não existem estatísticas sobre pessoas deslocadas por alterações ambientais a longo prazo, tais como secas recorrentes, ou pessoas indiretamente deslocadas pelas alterações climáticas, por perderem os seus meios de subsistência ou por serem mergulhadas na pobreza devido a alterações ambientais.

Tempestade perfeita

In the course of their investigation, Rodriguez and Montalto found that though climate change-induced extreme weather tended to hurt the poorest hardest, it could also devastate affluent communities too.

This occurred, for example, in La Faute-sur-Mer on France’s Atlantic coast. In 2010, the well-to-do coastal resort was hit by Xynthia, a powerful storm accompanied by surging seas. A century ago, a storm of this magnitude would not have caused devastation but rising sea levels meant that it resulted in widespread flooding, claiming the lives of 29 of the town’s residents.

Unlike victims of global warming in poor countries, the 1,000 people who lost their homes were offered compensation by the French state to rehouse. Around 400 decided to leave the town for good.

Nevertheless, the emotional trauma and scars of losing homes or loved ones are the same everywhere. Some survivors lost more than one member of their family. Elizabeth, who had retired in La Faute-Sur-Mer, watched her husband drown in the deluge before her eyes and her baby grandson died of hypothermia in her arms. Ahmed, an intensive care doctor who had recently bought a plot of land in the town, lost his mother, wife and sons, Ismaël and Camil. Only his daughter survived.

Watershed moments

Uma dessas histórias é a de Ion Sandu, da Moldávia. Há uma década, inundações devastadoras causadas pelo aquecimento global atingiram a sua aldeia Cotul Morii, forçando o exército a evacuar os residentes. Decidindo que a aldeia se tinha tornado demasiado arriscada para a habitação humana, o governo construiu uma nova povoação com o mesmo nome, onde encorajou os residentes a mudarem-se.

No entanto, Sandu, que está no final dos anos 80, e alguns outros residentes não gostaram da nova aldeia construída para o efeito e sentiram nostalgia pelas suas casas, pelo que se mudaram de volta, apesar de Cotul Morii ter sido oficialmente apagado do mapa e cortado dos serviços e infraestruturas públicas.

“Como se deixa uma casa tão bonita?” Sandu perguntou, referindo-se à casa de família construída em madeira sólida de acácia na qual ele nasceu, cresceu, casou e viveu com a sua falecida esposa. “Esta é a casa do meu pai”. Eu era uma criança aqui. Eu nasci aqui”, disse ele à Euronews.

A Moldávia não é apenas um dos lugares mais pobres da Europa, a sua população também se encontra entre os mais vulneráveis às alterações climáticas. E não se trata apenas de inundações extremas que a população predominantemente rural tem de suportar.

As secas estão também a tornar-se mais comuns e devastadoras. Entre 1990 e 2015, a Moldávia sofreu 11 secas, de acordo com a ONU. Só em 2012, a seca causou perdas na minúscula economia do país de 1 bilião de euros.

Isto está a ajudar a causar uma grande drenagem populacional. A população da Moldávia era de 4,5 milhões de habitantes no início dos anos 90, tendo caído para 2,7 milhões em 2019. Embora uma baixa fertilidade seja um dos fatores desta queda, a emigração de centenas de milhares de moldavianos também desempenhou um papel significativo.

Não existem estatísticas sobre o papel das alterações climáticas na decisão dos moldavianos de deixar a sua terra natal, com a maioria a citar a pobreza e os baixos rendimentos como motivadores.

No entanto, indo mais fundo, podemos inferir que o clima cada vez mais inóspito do país tem uma influência nas decisões de migração. Isto reflete-se, por exemplo, no facto de quase 70% dos moldavianos que se deslocaram para o estrangeiro terem migrado das zonas rurais, ou seja, das regiões devastadas pelas cheias e pela seca.

Source: Eeb.org

Mais notícias